Previsão do Tempo
Bauru
Geral

Amizade que atravessa décadas

Vizinhos que viveram na década de 80 na rua Manoel Pereira Rolla reúnem famílias para relembrar o passado e celebrar o valor do afeto

18/06/17 07:00
Fotos: Malavolta Jr
Cerca de 45 pessoas participaram da reunião do grupo, atualmente com quase 100 membros
Encontro de vizinhos da rua Manoel Pereira Rolla reuniu amigos que atualmente vivem distantes

Ensina o ditado que a vida é feita de escolhas. E um grupo de bauruenses escolheu construir uma história de amizade que atravessou décadas e permanece sólida mesmo com a distância.

Nesse sábado (17), eles voltaram a se encontrar e, entre risos e lágrimas emocionadas, relembraram o passado, cantaram como faziam há 30 anos e celebraram a parceria que, para muitos deles, equivale a uma trajetória inteira de vida.

Hoje, eles somam 99 pessoas, entre pais, filhos e netos, mas, ontem, cerca de 45 participaram da reunião. Com uma dose de bom humor, se autodenominam a Turma da Rolla, já que toda a história começou quando eram vizinhos na quadra 11 da rua Manoel Pereira Rolla, na Vila Universitária.

A aproximação se deu por meio de uma iniciativa despretensiosa de Maria Luiza Sotero, em 1986. Ela havia se mudado há pouco tempo para o endereço e decidiu reunir as crianças vizinhas, incluindo seus dois filhos ainda pequenos, para ensaiar uma apresentação para o Dia das Mães daquele ano.

"Ninguém se conhecia na rua e esta festinha, que eu fiz no fundo de casa, transformou tudo. Começamos a fazer reuniões várias vezes ao ano. Chegávamos a fechar a quadra, porque era muita gente mesmo", lembra.

Filha de Maria Luiza, a psicóloga Mariana Bonnás, 32 anos, lembra vivamente daquela época, que fez com que a vizinhança acabasse se tornando uma verdadeira família. "Em todas as datas comemorativas, ensaiávamos uma pecinha para apresentar para os pais. Também dançávamos quadrilha na festa junina, encenávamos a Escolinha do Professor Raimundo, fazíamos desfiles, jogral. Era muito divertido", conta.

SEGREDO

Em cada evento, as famílias levavam comidas e bebidas e, sem que se dessem conta, foram construindo um elo difícil de encontrar na contemporaneidade, cada vez mais competitiva e consumidora do nosso tempo.

Justamente por conta das rotinas de cada um, a engenheira civil Fabiana Munhoz, 37 anos, conta que o grupo chegou a ficar alguns anos sem se reunir.

Mas, quando as crianças da década de 1980 começaram a se casar - e, com o advento dos aplicativos de troca de mensagens, a amizade voltou a se fortalecer a partir de 2010. "As festas de casamento foram o motivo que precisávamos para retomar os encontros", cita.

Ontem, vieram famílias de Uberlândia (MG), Salvador (BA), Sorocaba e São Paulo. Mas até mesmo um casal de Manaus (AM) encontrou uma maneira de participar, enviando mensagem gravada em vídeo, que foi reproduzida em um telão improvisado durante a festa.

"Há membros da Turma da Rolla espalhados pelo País inteiro. Somos uma grande família, que só vem crescendo com o nascimento dos filhos, com a chegada de maridos e esposas. Há uma vontade muito grande de estarmos juntos e acho que este é o segredo de esta união durar tanto tempo", analisa Roberto Maia, 56 anos, dono da fazenda onde a festa ocorreu.

Morador de São Paulo, o empresário Miguel Cezare, 34 anos, também diz ser privilegiado por ter a oportunidade de viver uma experiência de amizade tão rara como esta. "Sabemos que algo do tipo nunca vai acontecer de novo, mas é muito bom poder acompanhar a evolução de todo mundo, que conhecemos desde quando éramos crianças", comemora.

Ler matéria completa
Mais notícias em Geral
As mais compartilhadas no Face
voltar ao topo