Previsão do Tempo
Bauru
Internacional

Conflitos raciais terminam com três mortes nos EUA

12/08/17 21:40
Estadão Conteúdo
Ryan M. Kelly/Estadão Conteúdo
Carro avança sobre uma multidão de manifestantes supremacistas e opositores que se reuniram no centro de Charlottesville

Três pessoas morreram e 34 ficaram feridas em dia confrontos neste sábado (12), em Charlottesville, na Virgínia, durante a maior manifestação de defensores da supremacia branca da história recente do EUA. Uma das mortes ocorreu quando um motorista avançou com seu carro contra uma multidão que protestava contra a marcha e o racismo. Analistas e veículos de imprensa americanos classificaram o ato de terrorismo doméstico.

Atropelamento

Uma pessoa morreu e dezenas ficaram feridas depois que um carro atropelou os manifestantes antirracistas, informou o Hospital Universitário de Virgínia.

O incidente ocorreu cerca de duas horas depois de violentos conflitos entre supremacistas brancos que se reuniram para protestar contra os planos da cidade de

remover uma estátua do general Confederado Robert E. Lee e outros manifestantes que chegaram para protestar contra o racismo.

Centenas de pessoas trocaram socos, chutes, lançaram garrafas e spray químicos. Muitos estavam munidos de paus e ferros. O governador do estado, Terry McAuliffe, declarou o estado de emergência e a polícia ordenou que as pessoas fossem embora.

Queda de helicóptero

Um helicóptero caiu próximo a cidade de Charlottesville, matando dois policiais. De acordo com autoridades, a queda do helicóptero ocorreu algumas horas depois de um carro atropelar uma multidão de manifestantes. O acidente tem sido associado com os protestos violentos, embora a ligação não tenha sido confirmada.

Corinne Geller, porta-voz da Polícia do Estado de Virgínia, disse que o piloto e um passageiro foram mortos no acidente com o helicóptero. Segundo o prefeito da cidade, os atos de hoje foram equivalentes a atos de terrorismo.

Trump condenou violência

O presidente dos EUA, Donald Trump, condenou a violência que desencadeou em Charlottesville, no Estado de Virginia (EUA), nesta manhã. Em sua conta no Twitter, Trump escreveu que "nós TODOS devemos estar unidos e condenar todos os que representam o ódio. Não há lugar para esse tipo de violência na América. Vamos juntos como um!".

Um dos organizadores, o blogueiro de extrema-direita Jason Kessler, disse que o evento se trata de uma manifestação "pró-brancos" para protestar contra a decisão de Charlottesville de remover uma estátua do General Confederado Robert E. Lee de um parque da cidade. Milhares de pessoas eram esperadas.

A prefeitura da cidade declarou estado de emergência e, através de sua conta no Twitter, descreveu o ato como uma "iminente guerra civil". De acordo com a polícia, alguns manifestantes foram detidos e ao menos duas pessoas ficaram feridas.

A primeira-dama dos EUA, Melania Trump, também condenou o confronto através de sua conta no Twitter. “Nosso país incentiva a liberdade de expressão, mas vamos nos comunicar sem ódio em nossos corações. Nada de bom vem da violência”, escreveu.

Ler matéria completa
Mais notícias em Internacional
As mais compartilhadas no Face
Recomendado
voltar ao topo