Previsão do Tempo
Bauru
Política

Chiara deixa a liderança do governo e vereadores cobram ajuste nas despesas

Saída da vereadora não interfere na situação do DEM, que segue normalmente junto ao governo

06/06/17 07:00
Thiago Navarro
Malavolta Jr.
Com a saída de Chiara da liderança, Carlão e Markinho (ao fundo conversando) são os mais cotados para o posto

Conforme a coluna 'Entrelinhas' antecipou na última terça-feira, a vereadora Chiara Ranieri (DEM) anunciou que está deixando a liderança da base aliada do prefeito Clodoaldo Gazzetta (PSD) na Câmara Municipal. O fato se consumou na sessão de ontem, na qual vários vereadores também manifestaram preocupação com os gastos do governo municipal.

Um novo nome para líder do governo ainda será discutido pelo chefe do Executivo com os demais parlamentares que compõem a bancada situacionista no Legislativo. Dois despontam como favoritos: Markinho Souza (PP) e Carlão do Gás (PMDB).

No último sábado, 'Entrelinhas' já havia publicado que ambos são os mais cotados para a função. Ontem, nos bastidores da Câmara, um terceiro nome também foi apontado, o de José Roberto Segalla (DEM), porém, as chances seriam mais reduzidas. Gazzetta garante que não conversou com nenhum vereador para definir quem efetivamente ocupará o posto de líder do Palácio das Cerejeiras entre os parlamentares. A saída de Chiara não interfere na situação do DEM, que segue normalmente junto ao governo, inclusive ocupando a Secretaria de Esportes (Semel). Chiara e Segalla são os dois vereadores demistas.

"Não conversei com ninguém, vou tomar a decisão com calma nos próximos dias. A Chiara (Ranieri) falou comigo na semana passada e explicou os motivos, inclusive por conta de sua agenda profissional. Qualquer vereador que está lá pode assumir a liderança, vou dialogar com toda a base aliada antes de definir", frisa o prefeito.

Apesar de ter que trocar de líder com apenas cinco meses de mandato, Gazzetta não vê problemas. "Não foi uma decisão unilateral, então acho que é algo tranquilo. Vamos ouvir todos os parlamentares, e tomar a decisão sem pressa", conclui.

'AGENDA'

Em entrevista à imprensa ontem à tarde, na Câmara Municipal, Chiara reiterou que sua agenda está incompatível com a função de líder. "Tenho muitas atribuições profissionais e entendo que o líder precisa estar mais presente e ajudar na articulação política do governo com a Câmara e outros setores. Então conversei com o Gazzetta e tomamos essa decisão", menciona.

 DESPESAS

Além da troca de liderança do governo, outro assunto foi destaque na sessão de ontem: o aumento das despesas da prefeitura no primeiro quadrimestre deste ano, em comparação com o mesmo período de 2016. Conforme o JC mostrou na última quinta-feira, a arrecadação ficou R$ 10 milhões abaixo do esperado, enquanto as despesas aumentaram 7,5%. Algumas secretarias tiveram gastos crescendo na casa de 20%, o que alarmou os parlamentares.

A prefeitura previa arrecadar R$ 304 milhões, mas obteve apenas R$ 294 milhões nos quatro primeiros meses deste ano. Alguns tributos, como ISS, ICMS e IPVA, cresceram pouco e pesaram para que o caixa do município ficasse abaixo do esperado. Já os gastos no quadrimestre passaram de R$ 215 milhões no ano passado para R$ 232 milhões em 2017.

Gastos com PCCS

Os aumentos de despesas da prefeitura no primeiro quadrimestre, discutidos em audiência pública na semana passada e já mostrados pelo JC, foram alvo de alguns vereadores. Em paralelo, a receita corrente teve arrecadação R$ 10 milhões abaixo do esperado. Coronel Meira (PSB) mostrou preocupação com o Plano de Cargos, Carreiras e Salários (PCCS), que poderá aumentar bastante a folha salarial.

Só neste ano, a Secretaria de Finanças projeta em crescimento de R$ 12 milhões apenas com o PCCS. Meira também quer mais detalhes do aumento de despesas de algumas secretarias no começo deste ano.

Chiara Ranieri (DEM) citou o crescimento de gastos com folha devido ao PCCS, e, a exemplo de Meira, frisou que já no curto prazo a prefeitura poderá não conseguir contratar mais servidores, até porque a despesa com folha está bem próxima ao limite da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). Ambos defendem que o Poder Executivo reveja o PCCS.

José Roberto Segalla (DEM) também foi crítico ao aumento nas despesas e questionou os cursos oferecidos pela Escola de Gestão, ligada à Secretaria de Administração, pois muitos dos temas pouco ajudam a melhorar a qualidade dos serviços públicos e ainda são oferecidos em horário em que os funcionários estão em expediente, ou seja, podem ser liberados, sendo que depois esses cursos contam para a progressão na carreira, impactando em mais custo na folha salarial do município.

Mais professores

A Câmara Municipal aprovou nessa segunda-feira (5), por unanimidade, o projeto de lei de autoria do prefeito Clodoaldo Gazzetta (PSD) que autoriza a contratação de mais 70 professores substitutos para a educação infantil na rede municipal. O objetivo é reduzir o déficit de profissionais decorrente de aposentadorias e remoções. O texto será votado em segundo turno na próxima semana e, se aprovado, vai para sanção do prefeito. Parte dos profissionais pode ser contratada no segundo semestre deste ano.

O outro projeto em primeira discussão prevê a permissão de uso do Fundo Municipal do Zoológico para a compra de veículos. O presidente da Câmara, Sandro Bussola (PDT), questionou o texto, e Natalino da Pousada (PV) pediu sobrestamento por uma sessão. Os demais projetos, que estavam em segunda discussão ou votação única, foram aprovados.

Também foi aprovado o pedido do prefeito Gazzetta para que o Legislativo faça a tramitação em regime de urgência do projeto de convênio com a Fundação Regional de Saúde para contratação de médicos pediatras para as UPA do Ipiranga e Mary Dota, com custo anual de R$ 6 milhões (R$ 3 milhões em cada unidade). A Mesa Diretora solicitou sessão extraordinária na próxima semana, com o objetivo de já votar o projeto caso seja liberado nas comissões.

No Geisel/Redentor a autorização para pediatras já foi dada em projeto anterior, e no Bela Vista o governo pretende remanejar os médicos do Pronto Atendimento Infantil (PAI) no segundo semestre, para a reforma do PAI. Amanhã, uma reunião dos vereadores com a Secretaria de Saúde vai debater a situação do atendimento infantil.

Ler matéria completa
Mais notícias em Política
As mais compartilhadas no Face
voltar ao topo