Previsão do Tempo
Bauru
Nacional

Discursos políticos marcam 1.º dia da Sapucaí

13/02/18 07:00
Gabriel Nascimento/Riotur
Paraíso do Tuiuti surpreendeu com tema sobre escravatura

A primeira noite de desfiles na Sapucaí teve carro alegórico emperrado na avenida, imagem do prefeito do Rio enforcado e do presidente em trajes de vampiro. Entre as sete escolas que desfilaram, os destaques foram Mangueira, Paraíso do Tuiuti e Mocidade. As duas primeiras investiram em forte discurso político e fizeram sucesso com o público.

Como esperado e muito falado, a Mangueira fez o desfile de oposição ao atual prefeito do Rio, Marcelo Crivella (PRB), bispo licenciado da Igreja Universal do Reino de Deus, que cortou verbas das escolas de samba e de festas de rua do Rio.

Com ares de campeã, a Mangueira saiu da Sapucaí ovacionada pelo público. Os diretores comemoraram o resultado. "Só quem é Mangueira sabe como eu estou me sentindo", comemorou, com águas nos olhos, o intérprete Leandro Santos.

Na mesma linha da Mangueira, o Paraíso do Tuiuti também seguiu na linha de críticas à política. Os temas variaram de racismo e escravidão a leis trabalhistas.

A escola optou por samba-enredo contagiante e fantasias alegres para tratar de temas não tão fáceis de serem compreendidos pelo público. O presidente Michel Temer (MDB) foi representado como um vampiro no último carro alegórico.

Última escola a desfilar, a Mocidade conseguiu manter a plateia animada até o raiar do sol com um desfile bonito e um bom samba, lindamente executado pela bateria. O enredo falava sobre pontos em comum entre as culturas de Brasil e Índia. 

A apuração da vencedora será nessa quarta-feira (14).

CRIVELLA SAIU DO PAÍS

Assunto mais polêmico deste Carnaval, a relação entre o prefeito e a folia continua distante. Ensaiando uma aproximação com a comunidade do samba, Crivella chegou a dizer que iria à Sapucaí, "mas não para sambar".

No entanto, acabou indo viajar. Na sua conta pessoal do Facebook, Crivella justificou sua ausência com uma viagem a Frankfurt, na Alemanha, para conhecer uma agência espacial a fim de reforçar o Centro de Operações do Rio (COR) para cada vez mais oferecer um serviço mais conectado e presente no dia a dia carioca.

O prefeito foi acusado pela comunidade carnavalesca de perseguir a festa num aceno ao seu eleitorado. O maior evento popular do país viu minguar os subsídios dados pela prefeitura nesta edição, Crivella reduziu pela metade os repasses.

Ler matéria completa
Mais notícias em Nacional
As mais compartilhadas no Face
Recomendado
voltar ao topo