Previsão do Tempo
Bauru
Polícia

Acusada de matar em saída de boate se entrega e confessa

Edna Lucia Costa Alves Rosalino, 29 anos, disse estar arrependida; ela foi encaminhada à Cadeia Pública de Pirajuí

09/01/19 07:00
Tisa Moraes
Samantha Ciuffa
Edna Lucia Costa Alves Rosalino, 29 anos, foi conduzida nessa terça (8) da CPJ para unidade prisional da região; Luciana Martins Pedro (na foto abaixo), 35 anos, foi morta no último dia 29 de dezembro
Reprodução/Facebook

Considerada foragida, a autora dos golpes de canivete que mataram uma mulher na saída de uma casa noturna, no fim do ano passado, em Bauru, se entregou nessa terça-feira (8) à Polícia Civil. Ajudante geral que não tinha antecedentes criminais, Edna Lucia Costa Alves Rosalino, 29 anos, confessou o crime e responderá a inquérito por homicídio qualificado, por motivo fútil. Ainda nessa terça, ela foi encaminhada para a Cadeia Pública de Pirajuí.

O crime, conforme o JC divulgou, foi registrado por volta das 4h30 do dia 29 de dezembro. A briga de um casal separado há nove meses, que discutia porque o carro que era da família estava sendo utilizado pelo homem, teria dado início ao conflito entre autora e vítima do homicídio.

Esta última, a dona de casa Luciana Martins Pedro, 35 anos, era prima da mulher que brigava com o ex-marido e Edna, conhecida do homem. Todos tinham acabado de sair da casa noturna, localizada na região Sudeste de Bauru.

DISCUSSÃO

Em depoimento prestado nessa terça-feira (8) na Delegacia de Defesa da Mulher (DDM), Edna relatou que, assim que saiu do estabelecimento, se deparou com a discussão entre o ex-casal. "Ela disse que a mulher estava chutando o carro e que interveio, falando para parar. Conta que questionou o homem se ele não tomaria nenhuma atitude e chegou a lhe oferecer carona para ir embora", detalha o delegado substituto da DDM, Adib Jorge Filho.

Ainda de acordo com a versão da ajudante geral, em seguida, Luciana teria se aproximado, dizendo para Edna não interferir no conflito do ex-casal, versão que diverge, segundo a polícia, de relatos de testemunhas. Com isso, as duas teriam começado a discutir.

"As testemunhas falam que foi a Edna quem investiu contra a Luciana, mas a Edna fala que a Luciana empurrou ela primeiro e que, por isso, teria reagido, dando um soco na vítima", acrescenta o delegado. Ainda durante o depoimento, segundo ele, Edna relatou que se sentiu ameaçada.

INGERIU ÁLCOOL

Revelou, ainda, que havia ingerido seis garrafas de 'ice' (bebida feita a base de vodca). "Depois do soco, a autora relata que a Luciana partiu para cima dela e que, quando uma estava de frente para outra, desferiu um golpe que atingiu as costas da vítima e, na sequência, um na região abdominal", detalha. Este último, inclusive, alcançou o coração da dona de casa.

Adib Jorge Filho pontua que as versões das testemunhas ouvidas até agora não esclareceram se a ajudante geral atingiu ou não a vítima pelas costas. Os laudos periciais, que podem revelar detalhes do que ocorreu, ainda não ficaram prontos.

Depois de ferir Luciana, Edna fugiu do local. Ela alegou que o canivete que carregava era de um amigo e que estava com o objeto naquela noite porque o devolveria ao dono, que acabou não indo na casa noturna. Na DDM, afirmou que, durante a fuga, acabou se desfazendo da arma branca.

"Ela disse que ficou desnorteada e que está arrependida do que fez", pontua Adib Jorge Filho, acrescentando que a ajudante geral possui duas filhas pequenas. "Ela argumentou que não conhecia a vítima e que desferiu os golpes em decorrência deste desentendimento originado da discussão inicial do ex-casal", cita. Luciana era moradora do Parque Santa Terezinha e deixou cinco filhos, entre 6 e 21 anos.

Ler matéria completa
Mais notícias em Polícia
As mais compartilhadas no Face
Recomendado
voltar ao topo