Previsão do Tempo
Bauru
Política

Grupo se movimenta contra projeto que proíbe o embarque de bois vivos

Grupo Pecuária Bauru (GPB) esteve nessa quinta (9) com o deputado estadual Itamar Borges, preocupados com os efeitos negativos que a aprovação do texto traria

10/08/18 07:00
Thiago Navarro
Fotos: Samantha Ciuffa
Itamar Borges: "Isso seria um crime contra o agronegócio"
Rodolfo Endres Neto e Oswaldo Furlan Jr. relatam preocupações

O deputado estadual Itamar Borges (MDB) visitou a região de Bauru, nessa quinta-feira (9), e foi recebido pelo Grupo Pecuária Bauru (GPB). Ele é o parlamentar que vem atuando mais ativamente contra o projeto de lei do deputado estadual Feliciano Filho (PSC) que proíbe o embarque de bois vivos nos portos do Estado de São Paulo. Se aprovada, a lei causará forte impacto econômico na pecuária paulista, com possibilidade de reflexos em todo o Brasil.

O deputado e representantes do GPB estiveram no Espaço Café com Política do JC. Em entrevista, Borges pontuou que vem acompanhando o caso desde que o projeto de lei começou a tramitar, no início do ano.

"Foi uma iniciativa de grupos que acham que o embarque de bois vivos causa maus-tratos. Isso não é verdade. Inclusive, a proposta é inconstitucional, uma vez que há leis nacionais e até internacionais gerindo o assunto. Se a lei for aprovada e alguém entrar com pedido de Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI), a chance de ganhar é grande, mas não é o ideal, pois gera uma grande insegurança jurídica", afirma.

Houve um acordo entre os parlamentares, e o projeto de lei só deve ser apreciado após as eleições. O governador Márcio França (PSB) teria se comprometido em sancionar o projeto, caso seja aprovado pela Assembleia.

"O embarque de gado vivo possuí normas, sem maus-tratos. Se o Estado de São Paulo decidir proibir, outros Estados podem fazer o mesmo. A economia nacional tem grande dependência da agropecuária, e uma lei como esta causaria um grande impacto, e afetaria o preço para os pequenos e médios produtores. Isso seria um crime contra o agronegócio", menciona Itamar Borges.

A pressão a favor do projeto, feita por entidades de defesa animal, levaria em consideração casos isolados, afirma. "Ocorreram duas situações. Uma foi no Porto de Santos, em que uma liminar proibiu o embarque e, como os bois já estavam no navio e a legislação nacional proíbe a limpeza de navios atracados, apenas em alto mar, o cheiro por conta de urina e fezes começou a incomodar as pessoas. O outro foi o de dois bois que caíram no mar no Porto de São Sebastião. Foi um acidente como pode acontecer em qualquer área. Precisamos é proteger o produtor rural, e não destruir sua atividade econômica", reforça. Ele lembrou ainda que o ex-secretário estadual de Agricultura e atual deputado federal Arnaldo Jardim (PPS-SP) tem sido um grande apoiador dos pecuaristas, e ajudado na luta pela derrubada do projeto em andamento.

PECUARISTAS

O presidente do GPB, Oswaldo Furlan Junior, cita que o País deve buscar novos mercados e uma lei como esta prejudicaria muito os pecuaristas. "Estamos precisando de novos mercados, ganhar opções de livre comércio. O projeto vem na contramão das necessidades da economia do Brasil. O nosso grupo vem fazendo uma mobilização em todo o País, em prol da classe produtora", frisa.

Já o conselheiro do GPB, Rodolfo Endres Neto, destaca que todos serão prejudicados. "A proibição, caso aconteça, elevaria o preço não apenas aos grandes produtores, mas aos pequenos e médios. Por isso a preocupação é grande", conclui.

Samantha Ciuffa
Pecuaristas e produtores da região contra projeto que proíbe embarque de gado vivo: Luiz Zillo, Beto Artiolli, Nino Marçano, Itamar Borges, Rodrigo Mandaliti, Rafael Farias, Yuri Nascimento e Rodolfo Endres

 

Ler matéria completa
Mais notícias em Política
As mais compartilhadas no Face
Recomendado
voltar ao topo