Previsão do Tempo
Bauru
Segundando

'Ora et Labora'

15/04/18 07:00
Joo Jabbour

A frase do título ('reze e trabalhe') é o que está escrito nas portas dos Mosteiros Beneditinos. É um mote católico que talvez faça muito sentido neste momento, entre tantos diz-que-me-diz, blá-blá-blás, simulações e dissimulações dos donos de todas as verdades. Então, será que não é hora de baixarmos um pouquinho a bola de todos nós, acalmar a mente e o coração para retomar bons hábitos e, acima de tudo, o respeito pelo outro perdidos em um passado não tão distante assim?

Em tempo: antes que me acusem de imobilista, conservador e de pregar apenas a confiança passiva na boa vontade alheia e no trabalho alienante, acrescento ao "Ora et Labora" a necessária luta pelos direitos e garantias individuais e coletivas, cada qual em seu grupo, partido, sindicato ou associação.

Mas cuidado! Oração em excesso pode levar à preguiça e muito trabalho atiça a cobiça. Então, "nem tanto ao céu nem tanto a terra", ensina outro provérbio, este de origem portuguesa, atribuído ao apóstolo São Paulo. Meu amigo Renato Zaiden sempre cita seu mestre espiritual e devoto da Seicho-No-Ie Kazuo Yanaba: "Oração é uma junção de meditação com ação - orar ação". Tem muita gente fingindo por aí as três coisas: que ora, que trabalha e que luta por alguma coisa.

A hipocrisia raiou no horizonte do Brasil e se estabeleceu! Assim não vamos a lugar algum...

Entramos em um círculo vicioso que só faz por aumentar a confusão política, econômica e institucional em que nos metemos. Estamos em total desequilíbrio com o centro gravitacional do universo. Abusamos dos excessos e limites prudenciais em todos os ambientes e atividades da vida pública e privada.

Há certas premissas que são naturais, sólidas e não estão sendo observadas. As leis e comportamentos sociais dos homens podem ser refeitos, certamente, mas muita coisa está fora da ordem na nova ordem mundial, como diz a música de Caetano Veloso. "Aqui tudo parece// Que era ainda construção// E já é ruína// Tudo é menino, menina// No olho da rua// O asfalto, a ponte, o viaduto// Ganindo pra lua// Nada continua..."

O mundo é governado por leis universais, gostemos ou não. E elas não são misteriosas, como alguns querem fazer crer. Mistério é apenas um subterfúgio para a ignorância ou para fazer com que tudo fique como está, porque interessa a minorias privilegiadas.

Não quero reduzir a situação a um olhar meramente positivista, porque não me considero e porque há toda a complexidade subjetiva nas relações humanas, mas é hora de resgatarmos princípios que já foram consagrados pelos usos e costumes, como o bom senso, a razoabilidade, o respeito, o trabalho, a retidão de caráter etc.

Ando, perdão pela expressão, de saco cheio do frenesi abestalhado de imbecilidades que não passam de meras bravatas, sem nenhum sentido histórico, sem lastro algum com o formidável conhecimento humano acumulado ao longo de milênios e muitas vezes jogado na lata de lixo.

Sei que esse mi-mi-mi de minha parte não vai mudar nada de nada, porque não propõe nada. Mas serve ao menos, talvez, para provocar alguma reflexão e entreter o prezado leitor. Sei também que para muita gente, possivelmente a maioria, este lamento não encaixa em seu cotidiano, que já é de muito trabalho e seriedade. E acho que esta é a boa notícia: muita, mas muita gente mesmo, trafega pelas vias da sensatez. O problema é que o insensato rouba demais a nossa atenção, até porque produz barulho e estragos, na maioria das situações.

O filósofo Aristóteles tem uma frase (pelo menos é atribuída a ele) que se encaixa bem nesse contexto: "O ignorante afirma, o sábio duvida, o sensato reflete". Ele fala em expressão, questionamento e reflexão. Uma boa fórmula para não sair por aí falando besteiras, algo que talvez eu tenha feito desde lá do alto da página...

Ler matéria completa
Mais notícias em Segundando
As mais compartilhadas no Face
Recomendado
voltar ao topo