Previsão do Tempo
Bauru
Segundando

Menos medo em 2019

23/12/18 07:00
João Jabbour

O Natal e o fim do ano chegaram trazendo junto as reflexões e sensibilizações próprias da época. Reflexões, diga-se, que deveriam ocorrer durante o ano todo. Sensibilidade, acrescente-se, que a maioria de nós negligencia no cotidiano e que poderia nos fazer melhores sempre, não apenas agora.

Mas esta não é uma crônica de lamento. Porque o ano que termina foi duro, o momento presente é de enormes, constantes e, muitas vezes, inexplicáveis fenômenos e desafios. Então, aproveitemos esta festa cristã, mesmo quem não é, e a pausa que ela nos propicia, para buscarmos um pouco de serenidade e, assim, um olhar mais consequente sobre o que se foi e o que virá.

Vi outro dia, através do Facebook, um vídeo postado pelo professor bauruense Carlos D'Incao com uma breve palestra de um escritor e biólogo moçambicano que não conhecia - o Mia Couto*. Ele falava em uma conferência europeia sobre segurança (em seu sentido mais amplo).

Mia leu um texto de 7 minutos que começa assim: "O medo foi um dos meus primeiros mestres. Antes de criar confiança em celestiais criaturas, aprendi a temer monstros, fantasmas e demônios..."

Em seguida, citando alguns exemplos, argumenta como os medos que ensinaram a ele desde criança se tornaram, afinal, "o mestre que mais me fez desaprender". E, ao tirar uma conclusão inicial, afirmou: "Neste mundo há mais medo de coisas más do que coisas más propriamente ditas".

Mais adiante, Mia cita algumas constatações interessantes, como as que se seguem, e que todos, sem exceção, podemos identificar em nossos universos particulares e coletivos.

"...O que era ideologia passou a ser crença, o que era política tornou-se religião e o que era religião passou a ser estratégia de poder. Para fabricar armas, é preciso fabricar inimigos, para produzir inimigos é imperioso sustentar fantasmas (medos)..."

"...o sentimento que se criou é o seguinte: a realidade é perigosa, a natureza é traiçoeira e a humanidade é imprevisível. Vivemos em permanente situação de emergência."

"... como em qualquer outro estado de sítio, as liberdades individuais devem ser contidas, a privacidade pode ser invadida e a racionalidade deve ser suspensa."

Mia Couto trata, assim, de um instrumento poderoso, a pedagogia do medo, que nos é imposta desde sempre na relação colonizadores e colonizados. Vem lá dos primórdios...

Em nome do medo, tomamos atitudes muitas vezes insanas. Outras vezes covardes. E não entendemos o que se passa à nossa volta, porque vemos o outro, até mesmo no ambiente familiar, como inimigo ou adversário constante e ameaçador. E nos fazemos agressivos, como forma de uma hipotética defesa.

Penso que neste instante de introspeção, mas também de celebração, é preciso entender nossos medos e aplacá-los na medida certa para criarmos condições básicas à continuidade e progresso de nossas vidas. E Mia Couto chama a atenção para esta sensação que nos guia o tempo todo e sobre a qual não nos atentamos, muito menos a controlamos.

Por ser uma emoção tão forte, o medo vem sendo utilizado ao longo da história humana como uma das mais eficientes formas de manipulação do homem pelo homem. Quando tememos muito por algo e não temos coragem de enfrentar, acabamos fazendo qualquer coisa para nos livrar dessa sensação incômoda. E, assim, deixemos que pensem e ajam por nós.

Que tal, então, dar uma virada nesta página mau escrita de nossas vidas? Não sei de forma ou fórmula pronta para aplacar os medos e fazê-los ocupar o espaço que, de fato, lhe reserva a natureza humana.

Mas uma coisa é certa: entender sua dimensão e impacto em nós é um grande avanço.

Seria um belo presente de Natal.

*Mia Couto, pseudônimo de António Emílio Leite Couto, escritor e biólogo moçambicano. Dentre os muitos prêmios literários que ganhou está o Prêmio Neustadt, tido como o "Nobel Americano". Couto e João Cabral de Melo Neto foram os únicos escritores de língua portuguesa que receberam tal honraria

Ler matéria completa
Mais notícias em Segundando
As mais compartilhadas no Face
Recomendado
voltar ao topo